segunda-feira, 16 de maio de 2011

TIMELINE: O bloqueio mandaloriano é quebrado. Ano 7 ATC

Posted by Darlan Lira On 23:13 1 comentários



Depois do ataque a Coruscant, o Conselho Jedi concorda que a República podia ter sido desfeita pela astúcia e bravura da estratégia do Império Sith.

Um olhar mais atento, no entanto, sugere que o ataque a Coruscant não foi o momento culminante da campanha do Império, mas sim uma manobra arriscada realizada após todos os outros esforços se mostrarem um fracasso.Os Sith apenas consideraram adotar tais medidas, depois que seus esforços foram minados por um aliado improvável da República, um contingente de contrabandistas fora da lei que conseguiu quebrar o Bloqueio mandaloriano.

O bloqueio foi responsável pelo fechamento da rota comercial primaria de apoio militar as tropas da República localizadas na Orla exterior. Esta rota também é responsável pelo abastecimento matéria -primas das colônias para os mundos do Núcleo galáctico.

Essa manobra complementou uma pratica que o império já havia adotado, que consistia em aperta o cerco sobre os redutos mais afastados das colônias e impedido que suas produções pudessem ser escoadas para os grandes centros da Orla exterior, e com isso os suprimentos críticos desapareceram dos mundos do Núcleo quase que da noite para o dia. Logo a fome assolou a níveis inferiores de Coruscant, motins eclodiram em todo o planeta. No senado já era possível ouvir conversas que sugeriam a rendição completa ao Império Sith.



Foi nessa hora crítica que uma contrabandista Mirialan chamada Hylo Visz reconhece uma oportunidade de negócio extraordinária para ela e seus parceiros. Com a República disposta a pagar qualquer preço para produtos brutos, o plano de Hylo era simples, furar o bloqueio mandaloriano. Carregando maciços cargueiros com todos os bens que a Orla externa tinha para oferecer, Hylo e seus companheiros contrabandistas levaram seus cargueiros  para dentro de um parsec de distancia do bloqueio e pararam abruptamente.



Distraídos pelos cargueiros suspeitos, os mandalorianos nunca souberam o que os atingiu, uma frota variada de naves pequenas saiu do hiperespaço  abrindo fogo contra eles. Uma batalha espacial massiva se seguiu, Os caças dos contrabandistas faziam círculos em torno do crusadores mandalorianos, mas mesmo assim, Hylo Visz e seu bando estavam em desvantagem.

Felizmente, os sistemas que impediam a que as transmissões de informações estratégicas para a República foram derrubados, assim naves da frota republicana que estavam em sistemas mais próximos  foram acionados e com a sua assistência, os Mandalorianos foram rapidamente superados e derrotados.
Com o fim do bloqueio Hylo Visz  pode levar os cargueiros cheios de mercadorias brutas  para  Coruscant, e ela se retira de cena com mais riquezas do que tinha imaginado.Uma cerimônia homenageá-la com medalhas foi feita em sua honra, mas Hylo nunca compareceu, a esta altura ela já estava distante demais disso tudo.
Rumores dizem que Hylo Visz foi morta um ano depois por ter “atravessado” o caminho dos Hutts. Independente do trágico fim, ela foi uma improvável heróina; E graças aos seus esforços a República ganhou um alívio.


No momento em que tudo isso ocorreu, muitos acreditavam que o Império Sith estava por trás do bloqueio mandaloriano. Minha pesquisa indica uma explicação muito mais elaborada do que se imagina, compartilharei mais sobre isso no próximo relatório.



1 comentários:

notas:

Parsec = medida de distancia epacial utilizada por astrônomos, tem o valor médio de 3,26 anos-luz.

o "calendario" utilizado por Gnost-Dural tem como marco zero o Tratado de Coruscant, sendo assim as datas são divididas em ATC (antes do tratado de Coruscant) e DTC (depois do tratado de Coruscant)

Postar um comentário